Maternidade

Mastite, não desejo para ninguém

Posted by on Oct 16, 2014 in Maternidade, Vivi | 0 comments

Estou saindo de uma mastite, ainda não estou 100% mas já terminei meus 7 dias de antibiótico.

Ano passado a esposa de um amigo teve que ficar internada por dias com infecção generalizada decorrentes de uma mastite, por isso sei que essa inflamação não é brincadeira.

Tive mastite com o Lucas, mas ele já tinha 8 meses, uma boca grande e já sabia mamar direito, então foi chato, mas não tão dolorido.

Agora com o Jorge aconteceu quando ele tinha apenas 14 dias, totalmente dependente do peito e da amamentação, fora que agora tenho dois filhos para olhar e cuidar. Sem contar que minha doula / amiga / consultora de amamentação estava em suas merecidas férias.

Chorei nas madrugas, quando a dor era maior, entoava o mantra materno “Vai passar”e buscava forças (e amigas) para continuar amamentando, pois cheguei perto de desistir tamanha dor. Bom que hoje tenho um grupo de amigas que me deu força (valeu Marilia, Flávia, Josi, Ana, Fê e Ju), que fez compras para mim (valeu Josi), que me trouxe comida (Ana que dádiva foi ter aquelas guloseimas no primeiro dia) e que me deu orientação (Zio, sempre tão prestativa). Nem vou falar da GO que respondeu todas minhas mensagens e ainda deixou a receita do ATB aqui em casa. E a mão salvadora da prima / doula / consultora de amamentação que veio aqui me salvar no final do domingo. Meninas, essa rede de ajuda e carinho que me mantiveram firme (além do marido). Minha mãe veio me salvar no fim de semana, para dar uma distraída no Lucas.

O banco de leite também foi importante, mais uma vez, mas a crise rolou mesmo no fim de semana, quando eles não atendem, então tive que recorrer a outras ajudas.

Hoje sei porque as mulheres desistem, porque provavelmente não tem essa ajuda, não tem esse amparo. Procure grupo de mães e mulheres pró amamentação na sua cidade, faça amizades que são verdadeiras, que podem te dar uma (ou muitas) mão num momento difícil, mas não desista de amamentar, por mais que doa, vai passar (na hora não parece), seu leite é sempre o melhor alimento para seu filho. Conheça e procure o banco de leite, é gratuito, elas tem muito conhecimento.

Read More

Mudança repentina

Posted by on Oct 8, 2014 in Meu Filho, Vivi | 0 comments

Estava uma tarde de quinta feira tomando uma limonada suiça com minha amiga Cecília quando meu telefone toca dizendo que o Lucas tinha conseguido a vaga na escola pública.

No começo do ano tinha solicitado uma vaga para ele na EMEI aqui do bairro, muito boa, com ótimas referências, mas já tinha perdido a esperança de conseguir a vaga para o ano de 2014. Mas nos 45 do segundo tempo a vaga surgiu e decidimos pegar.

Ele deveria começar a adaptação na terça da semana seguinte e assim foi. No primeiro dia eu pude acompanhá-lo até a sala, ele corou muito, não queria entrar, ficamos ali apenas 2 horas, mas não foram momentos muito agradáveis. Me senti mal, questionei a minha decisão, lembrei do quão difícil foi a adaptação dele na primeira escola e como ele amava seus amigos, as tias e enfim pedia para ir a escola.

Chorei, estava grávida de 40 semanas, fazendo uma mudança radical na vida do Lucas em um momento já cheio de mudanças. Conversei com o Pedro, me acalmei para poder seguir forte na decisão e para ajudar meu filho a vencer mais aquela etapa da vida.

No segundo dia da adaptação ele chorou na porta da escola e eu fui esperar as 2 horas passarem lendo na secretaria. Chorei de ouvi-lo chorar, mas quando ele saiu feliz, deu tchau para a tia nova e estava com a blusa suja de melancia sabia que ele iria conseguir. Nesse dia Jorge nasceu a noite e eu tive que deixar de lado a adaptação da escola. Minha mãe que levou e buscou nos demais dias.

Talvez tenha sido a melhor coisa que aconteceu, pois não ficou associada a adaptação a mim, quando a mãe tá junto parece sempre mais penoso para eles.
Já tem 2 semanas que ele frequenta a escola nova, agora fica o dia todo. Eu morro de saudade, mas mudei nosso horário de brincadeiras e bagunça para depois da escola.

Estamos nos adaptando a nova vida, com irmão, escola e horários novos, mas muito felizes de nossas decisões.

Read More

Parir, um caminho a se trilhar

Posted by on Oct 7, 2014 in Grávida, Parto | 0 comments

Quando estava grávida do Lucas busquei me informar, consegui uma médica que fizesse PN (raridade), um pediatra que entregasse meu filho para mim e permitisse que ele mamasse assim que nasceu (raridade 2), mas hoje vejo todas as falhas que aconteceram no parto dele e vejo que poderia “consertar” neste segundo parto.

Queria um parto natural, sem intervenções, sem puxo induzido, sem anestesia, sem jejum, com meia luz, com amor, com respeito. Quero meu filho comigo o tempo todo, até para tomar suas primeiras vacinas, não gostaria que ele recebesse nitrato de prata em seus pequenos e sensíveis olhos. Não é pedir muito, é?

Para conseguir isso poderia tentar um parto domiciliar, mas acabamos descartando isso por morarmos no ovo, onde não caberiam as parteiras, nós, a doula, a banheira. Lembro que nem a bola de pilates entrou nos chuveiros aqui de casa…

Excluída a possibilidade de parir em casa passei a considerar a Mater, maternidade do SUS que vem investindo cada dia mais na humanização de seus profissionais, mas lá funciona em esquema de plantão e você pode pegar um médico intervencionista.

Considerei também ir a São Carlos, mas fico receosa de ser um parto rápido e não dar tempo de chegar… Se escolhesse essa opção teria que ter um plano B para Ribeirão também.

Ai fiquei sabendo que a UNAERP (faculdade aqui da cidade) abriu uma Casa de Parto, que é atendida por equipe do SUS (assim como a Mater), mas que pode ser acompanhada pelo profissional a sua escolha (caso ele seja credenciado lá). A Dra. Flávia Junqueira, que é a G.O. que vem me acompanhando, está fazendo alguns plantões nessa casa de parto e me convidou para conhecer o espaço. Fui conhecer e achei a estrutura muito bacana, vejo muito potencial, mas não poderia levar outros profissionais como o pediatra e como não quero intervenções no bebê fiquei receosa.

Uma outra opção surgiu ao conversar com minha querida amiga Flávia, G.O. que pariu lindamente em sua casa e abraçou a humanização, onde ela se ofereceu para fazer meu parto e meus olhos se encheram de lágrimas, de gratidão e essa passou a ser a melhor opção para mim, a que mais me agradava.

Para ter meu pequeno com a Flávia tive que considerar outras coisas, como o hospital. Comecei a reconsiderar Sinhá (onde tive o Lucas), que tem evoluído na humanização e com a equipe certa podemos ter um parto fodástico dentro de uma instituição não tão legal assim. A equipe está formada pela Dra. Flávia, Dra. Mariana como pediatra e a Thaiane como doula, não consigo visualizar equipe melhor em Ribeirão hoje em dia. É esperar a hora chegar.

Read More

Desfralde total?

Posted by on Sep 17, 2014 in Meu Filho, Pensamentos, Vivi | 0 comments

Alguns meses após o desfralde ter acontecido tivemos nossa primeira noite sem fralda.

Quando o pai foi colocar o Lucas na cama e sugeriu que era hora de colocar a fralda, o Lucas disse que não queria, que iria ficar de cueca. Pronto, desfraldamos completamente.

Ele tem feito xixi antes de deitar, lá pela meia-noite e depois só quando acorda, e olha que ele bebe bastante líquido depois que chega da escola.

Vendo que ele pediu para ficar sem fralda, que o desfralde total aconteceu naturalmente percebo que a melhor coisa que fiz foi esperar e respeitar o tempo dele, se tivesse insistido naquela primeira tentativa talvez estivéssemos limpando xixi até hoje.

Por isso mães, vamos respeitar o tempo de nossos filhos? Não é porque a sogra pressiona, a escola pede, tem que ser porque eles estão prontos. Tenha paciência e carinho, volte as fraldas se for preciso, mas não exija de seu filho a maturidade que ele não tem, às vezes em semanas tudo pode mudar.

Boa sorte a todas!

Read More

Abençoada!

Posted by on Sep 16, 2014 in Grávida, Maternidade, Parto | 0 comments

Ano passado fui (e ajudei a organizar) meu primeiro chá de bençãos, já ajudei em outros, estive presente e alguns. Todos muito emocionantes e carregados de ocitocina. Mas no último sábado eu fui o centro, eu fui abençoada por pessoas queridas.

Para aqueles que não conhecem o chá de bençãos nada mais é do que uma reunião de mulheres com o intuito de trazer boas energias para a gestante, eu que estou quase de 39 semana as recebi de braços abertos. A Flávia contou como foi o dela aqui neste post no site do G&M.

Eu ganhei um lindo ultrassom da parteira (esse desenho do bebê na barriga da mãe), quem fez foi minha amiga e doula Thaiane,a primeiras das mães que conheci aqui em Ribeirão quando estava grávida do Lucas e quem me apresentou a mulher que abriu as portas para tantas outras amizades foi a prima Helô, doula no parto do Lucas. Thai, amei o desenho, serei sempre grata a você por todas as coisas boas que você trouxe para minha vida.

As crianças são sempre bem vindas, brincam, bagunçam, brigam, mas estão lá, presentes em um momento tão bacana, tão cheio de amor.

Depois de ganhar esse desenho lindo fui receber as bençãos propriamente, com escalda pés, música linda (muitas delas estão na minha playlist do parto) e velas. Relaxei e ouvi de cada uma das presentes tinha a dizer sobre mim, sobre a minha presença em suas vidas e sobre como seria o meu parto. Foi muito bom perceber que sou querida para pessoas que quero tão bem.

Aproveito esse post para agradecer mais uma vez todas as presentes por fazer deste momento tão especial ainda mais gostoso, inesquecível mesmo. Ana, obrigada pelo espaço, se não tivesse onde, não teria como. Meninas, amigas como vocês são para a vida toda, vou adorar ver nossos filhos crescendo juntos.

A Paz
Gilberto Gil

A paz invadiu o meu coração
De repente, me encheu de paz
Como se o vento de um tufão
Arrancasse meus pés do chão
Onde eu já não me enterro mais

A paz fez um mar da revolução
Invadir meu destino; A paz
Como aquela grande explosão
Uma bomba sobre o Japão
Fez nascer o Japão da paz

Eu pensei em mim
Eu pensei em ti
Eu chorei por nós
Que contradição
Só a guerra faz
Nosso amor em paz

Eu vim
Vim parar na beira do cais
Onde a estrada chegou ao fim
Onde o fim da tarde é lilás
Onde o mar arrebenta em mim
O lamento de tantos “ais”

 

Read More

2 anos e 6 meses

Posted by on Aug 7, 2014 in Meu Filho, Vivi | 0 comments

Na segunda Lucas completou 2 anos e 6 meses, nossa como o tempo passou… Lembro de falar aqui no blog sobre descobrir o sexo do bebê, do parto, dos problemas, das alegrias, do Lucas ser high-need, hoje isso parece tão distante, temos outras questões, outros problemas.

Agora me preocupo com o desfralde, com a chegada do irmão, com sua fala, seu comportamento.

Mas vejo que ele é um menino educado, obediente, que come bem, que conversa, brinca (sozinho e com outras crianças), é carinhoso. Fico feliz de perceber que estamos fazendo um bom trabalho como pais, por mais complicado que seja, cansativo, hoje fico orgulhosa de conseguir desfraldar sem traumas, sem bagunça.

Como “presente” ele mudou de turma na natação, foi para os iniciantes, não tem mais a mamãe com ele na piscina. Ele ama nadar e se dá super bem nessa atividade, que ajuda em seu desenvolvimento motor, nos problemas respiratórios, na socialização e agora na separação da mãe, que é muito importante diante da chegada do irmão.

Read More

Desfralde legal!

Posted by on Aug 6, 2014 in Meu Filho, Vivi | 0 comments

Não tem muito tempo falei aqui no blog sobre esperar o tempo do filho para começar o desfralde e o quanto a Laura Gutman me ajudou a entender isso. O post anterior está aqui.

Lucas estava com 2 anos e 5 meses em pleno inverno, mas experimentamos uma nova relação com o desfralde, mais tranquila e fluida. Esperar o tempo certo faz com que o clima influencie pouco (ou nada na verdade) no desfralde.

Como o Lucas entrou de férias em Julho aproveitamos para passar uns dias em São Paulo, curtindo um frio. Depois que voltamos resolvi tentar novamente o desfralde, mas nos primeiros dias coloquei fralda de pano com 1 absorvente apenas e ficava perguntando de tempos em tempos se ele queria ir ao banheiro, em alguns momentos deu certo em outros não. Com essa fralda fica fácil colocar e tirar, além de ficar bem mais úmido caso faça xixi na fralda e não vazar (quer dizer, se forem muitos xixis vaza, mas menos que na cueca).

Não vou mentir, teve um dia que fiquei bem brava com ele, pois depois de um tempão perguntando se ele queria ir ao banheiro e ele negando, o lindão olhou para mim e disse: já fiz. Percebi que ele sabia quando queria fazer xixi e mesmo assim estava fazendo na calça. Conversei com ele e continuamos nossa caminhada.

Um dia estávamos no shopping e escolhemos juntos novas cuecas (do Batman, é claro), no dia seguinte colocamos a dita e pronto, nenhum escape, nenhum xixi na cueca do Batman. Boa parte do tempo tínhamos que estimulá-lo a ir ao banheiro, ficar junto.

Mas as férias acabaram e ele voltou para a rotina da escola. Mandei um recado na agenda falando que ele estava sem fralda, mas que não estava pedindo ainda para ir ao banheiro, apenas respondia ao estímulo ao ser perguntado. Enchi a mochila de calças e cuecas para caso houvessem acidentes.

Quando fui buscá-lo a professora veio a porta me elogiar, dizer que ele tinha feito xixi durante as idas da turma ao banheiro e quando sentiu vontade pediu para ser levado, que eu estava de parabéns por ter esperado o tempo dele e que estava fluindo tudo bem. Ou seja, ele não deixou escapar o xixi nenhuma vez.

Nesses primeiros dias tivemos saídas que coloquei a fralda, por medo mesmo, mas teve um dia que não houve como deixá-l0 de fralda, expliquei que ele não poderia fazer xixi na calça que ia molhar a caderinha do carro, que ele tinha que esperar chegar em casa. Ele disse que estava com vontade ao longo do percurso e eu reforcei que ele tinha que esperar mais um pouco. Chegando em casa ele correu para o penico e fez um monte de xixi. Fiquei feliz em saber que ele está controlando bem o esfíncter.

Estamos nessa vida sem fralda há umas três semanas, saímos, passeamos e a fralda ficou só para as noites, mas acho que logo vão embora também pois acordam sequinha!

Paciência e dar tempo ao tempo são importantes para essa fase, não adianta a escola, a sogra, o marido querem que o filho desfralde, ele vai fazer quando ele estiver pronto. Agora se você quer limpar muito xixi, lavar muita calça fique a vontade para fazer o desfralde no seu tempo e não do seu filho.

 

Read More

Nem tudo são flores

Posted by on Jul 14, 2014 in Maternidade, Pensamentos, Vivi | 0 comments

Pode parecer que a maternidade é linda, feliz e te completa, mas nem tudo são flores.

Hoje, grávida do segundo filho, com um bb de mais de 2 anos me sinto feliz como mãe, mas não foi sempre assim e só o Pedro sabe.

A gente esconde os problemas de nós mesmas, né? Mas tem horas que a gente explode, chora, xinga, briga com a sombra (mais com o marido) e não entende porque, todo mundo fala do amor incondicional, que a maternidade é linda e todas as frases lindas (e batidas) sobre ser mãe.

Mas ninguém te conta que amamentar pode ser super complicado, que você não vai ter tempo para fazer muita coisa (tipo raspar as pernas do banho), que você não vai ter pique para manter a vida sexual (e vai ficar encanada que o marido tem outra), que seus amigos não vão entender que você não pode sair às 20h (isso se você puder sair) e tantas outras coisas que nos irritam e incomodam (pode parecer pouco lendo assim, mas quem vive sabe).

Como ter sentimentos tão opostos em relação a mesma coisa? Tudo bem falar bem da maternidade, do filho, do peso, mas a sociedade não te permite falar mal, não aos quatro ventos, não para todo mundo ouvir. Acho que é medo de desistimular outras mulheres a procriar e a humanidade terminar (hahaha).

Conheci muitas mães depois que o Lucas nasceu e todas elas tiveram seus perrengues, cada uma soube contornar, viver aquele momento sabendo que é isso mesmo, um momento, que passa… Ao conhecer outras mães a gente percebe que não está sozinha, que não é só com nosso filho, conosco, que alguns comportamentos e situações se repetem.

Agora estou numa fase ótima, que o Lucas é mais “independente”, brinca sozinho, aceita ficar com outras pessoas (o pai inclusive) e não mora mais no meu colo, mas nem sempre foi assim.

Foi difícil para mim ficar encantada com a maternidade, mas agora adoro ser mãe, fazer as coisas pelo Lucas, com e para ele. Tenho certeza que serei melhor mãe para o Jorge, pois aprendi muito nesses últimos 3 anos.

Read More

Me, myself and I

Posted by on Jun 26, 2014 in Maternidade, Pensamentos | 0 comments

Já falei em outro post que me tornei ativista, do parto e da amamentação e isso mudou a maneira como vejo o nascimento, a relação mãe e bebê. Depois de alguns embates que vivi entendi que tem pessoas que querem ser ajudadas e mudar e outras não. Porém hoje, ao ler que uma “famosa”arrancou o filho da barriga para que não fosse de determinado signo e o bebê foi parar na UTI, preciso me manifestar.

Será que não percebemos o quão egoístas somos? A maioria das mães marca sua cesárea por motivos puramente egoístas: não ser (ou ser) de determinado signo, para não sentir dor (oi?), para que a data fique mais bonita (11/11/11), porque os avós moram longe, porque tem copa, porque é Natal e posso ficar aqui falando um monte de motivos sem motivos… Percebeu o egoísmo?

Não é apenas no nascimento que o egoísmo aparece, na amamentação também está presente. Se a mãe quer sair com o pai, ou com as amigas, como faz se está amamentando? Não pode deixar de ir a um evento qualquer e ficar com seu filho que necessita fisiologicamente da mãe (nem vou falar do psicológico). As pessoas ficam loucas para voltar a ter a vida de antes de seus filhos nascerem, mas não tem volta, desculpe te decepcionar.

Outra questão é o sono. Tem mãe que quer que o filho durma sozinho a noite toda no bercinho no outro quarto. Coitado desse bebê, que até ontem estava ali dentro do ventre quentinho e cheio de barulhinhos. Entendo que dormir é bom, necessário inclusive, mas o bebê também tem necessidades (como mamar, carinho, calor humano) e uma hora ele começa a dormir mais tempo, não tem porque apressar.

Eu demorei para me convencer que poderia ser mãe por me achar extremamente egoísta e entender que um filho precisa mais de nós que nós mesmos. Claro que tive meu momento de egoísmo depois que o Lucas nasceu, afinal somos humanos e temos nossas necessidades, mas não podemos mais pensar apenas em nós mesmos.

Read More

Para mudar o Brasil é preciso mudar a forma de nascer!

Posted by on May 30, 2014 in Maternidade | 0 comments

Uma pesquisa realizada durante anos com mulheres que tiveram seus bebês em maternidades públicas e privadas do Brasil revela um raio-x bem ruim da nossa assistência. A pesquisa se chama Nascer no Brasil e foi realizada pela Fio Cruz.

Os números já não são novidades, 52% de taxa de cesariana (sendo 88% nos hospitais privados), mas a divulgação e repercussão que este estudo está tendo me fazem sonhar com mulheres questionando seus obstetras, a página do Estuda Melania, estuda! fora do ar de tanto acesso.

É, é um sonho, mas se conseguimos mudar o pensamento de uma mulher já é uma vitória. Nesses meus anos (poucos) de ativismo do parto percebi que casa mulher tem seu tempo, tem aquelas que demoram a entender, tem aquelas que logo sacam e tem aquelas que não querem saber.

Para estas últimas a única coisa que posso desejar é que tudo corra bem, que mãe e bebê saiam bem de uma cirurgia de médio porte e sejam tratados com respeito em todo processo.

Para as demais digo: EMPODERAMENTO. É só ver a discussão da Leilane com o Raphael Câmara, obstetra carioca. Contra fatos não há argumentos…

Quem quiser saber mais sobre a pesquisa:

Site da FioCruz: https://portal.fiocruz.br/pt-br/content/pesquisa-revela-numero-excessivo-de-cesarianas-no-pais

Leilane dando show: http://g1.globo.com/globo-news/jornal-globo-news/videos/t/todos-os-videos/v/raphael-camara-fala-sobre-grande-numero-de-cesarianas-no-pais/3381400/

Época: http://epoca.globo.com/colunas-e-blogs/cristiane-segatto/noticia/2014/05/o-delirio-da-bcesarianab.html

Read More