Posts Tagged "filho"

Escolhas e escola

Posted by on Sep 17, 2012 in Maternidade, Meu Filho, Pensamentos, Vivi | 0 comments

Eu tentei, fiz tudo que pude, dei tudo de mim mas não estava mais funcionando, eu estou ficando irritada, você fica mais choroso e quer mais atenção e ficamos neste loop infinito.

Queria ficar com você até você ter uns 2 anos, mas já não está dando certo e resolvi admitir que talvez seja melhor a gente tentar outra maneira para fazer dar certo. Esta semana vamos começar a adaptação na escolinha, no berçário.

Vai ser só meio período, o suficiente para termos saudades, mas não para morrermos dela.

Sei que você vai ficar bravo comigo no começo, mas acho que depois você vai ver como foi importante. Não sei se vai ser mais difícil pra mim ou pra você.

Deixo você ir para ser ainda melhor mãe pra você.

 

Read More

Dia dos Pais

Posted by on Aug 12, 2012 in Meu Filho, Pensamentos, Vivi | 0 comments

Este post é em homenagem ao melhor pai do mundo: Pedro.

Quando dizem “não basta ser pai tem que participar” estão falando para você, que estava lá a cada contração, que me ajudou a ser forte e conseguir ter o parto do nosso filho.

Estão falando para você que chega em casa todos os dias e vai ficar com o Lucas para que eu possa cozinhar, assistir um pouco de TV, navegar na internet.

Estão falando para você, que me acalma e me ajuda nos momentos difíceis que o Lucas nos faz passar.

Estão falando para você, que nina o Lucas para que eu possa dormir um pouco mais.

Estão falando para você, que está dando comida para o filhote e participando desta fase importante do desenvolvimento do Lucas.

Estão falando para você, que me surpreendeu com seu corujismo e dedicação.

Estão falando para você, o melhor pai do mundo.

Feliz dia dos pais, agora com o Lucas conosco.

Read More

Fim da exclusividade

Posted by on Aug 3, 2012 in Maternidade, Meu Filho, Vivi | 0 comments

Filho chegou a sua hora, sua vida vai mudar, você vai começar a comer. Primeiro as frutas, depois papinhas salgadas, até chegar na comida que apá e mamãe comem (você vai ver que não demora nada). Esse é o começo de um novo ciclo, mas mais importante é o fim de outro: amamentação exclusiva.

Conseguimos atingir nosso segundo objetivo (o primeiro foi o parto normal): amamentação exclusiva até os 6 meses! Vamos continuar mamando até quando você quiser, espero um desmame natural, bi-lateral (e como já disse em outro post não vamos nos separar tão cedo), mas a gente nunca sabe, né?

Nos dias de hoje é muito difícil atingir esta “meta” (estabelecida pela OMS, não por mim), médicos não ajudam (olha a máfia do NAN ai gente), opiniões não ajudam (ele não sai do seu peito, nossa você não faz mais nada da vida e por ai vai), mas nós vencemos. Mesmo tendo nossos problemas.

No começo foi complicado, a gente não sabia fazer direito, eu me machuquei, mas tudo deu certo e engrenamos a amamentação. Mas quando você estava com uns 3/4 meses você começou a dar trabalho, por conta do sono você lutava para mamar, chorava, se jogava pra traz, mas com paciência (eu?) consegui te fazer dormir mais e mamar melhor.

Esse foi nosso caminho até aqui, agora vamos escrever mais uma parte da sua história. Já convidei seu pai para participar: ele vai te dar sua primeira fruta. Assim vamos ver juntos suas reações, suas caretas, vou tirar muitas fotos, prometo.

Update: Ganhei diploma!

 

Read More

Semana Mundial da Amamentação

Posted by on Aug 1, 2012 in Maternidade, Meu Filho, Vivi | 0 comments

Hoje entramos na semana mundial da amamentação, mais uma maneira de divulgar a importância da amamentação dos bebês. No sábado dia 04/08 vai rolar mamaço por todo o Brasil, ainda não sei se vou participar, mas estou apoiando e divulgando o evento.

Este é nosso primeiro ano, não sei se teremos outros, mas espero que sim.

Estava conversando com uma amiga que as campanhas sobre aleitamento não contam a verdade da coisa, não explicam o quanto pode ser difícil e que você tem que persistir, ter paciência e força de vontade. Não fica claro pra nós mães como pode ser complicado  amamentar por mais que a gente queira.

Conheço histórias de sucesso e de fracasso, de semi fracasso e total fracasso. Mas é difícil para nós admitirmos este fracasso, porque é tão natural, é tão fácil, porque não consegui? Esse falsa sensação faz com que muitas mães tenham vergonha de pedir ajuda, vergonha de contar o que está acontecendo para suas amigas e/ou familiares e procuram um caminho mais “facil” (e muitas vezes apoiado por pediatras) que seria a complementação e muitas vezes substituição do leite materno pelo LA.

Se você é gestante procure um grupo de apoio, virtual, real, não importa, se informe, tire dúvidas, não espere o parto para descobrir que você não sabe como fazer.

Se você já está com seu filho e tem problemas procure o banco de leite, se precisar de apoio peça para suas amigas, procure grupos de apoio na internet, você vai descobrir que tem muito mais gente com as mesmas questões que você. Mas não desista, é importante para você e para seu filho.

Ah, quem quiser participar do mamaço procure saber onde vai rolar na sua cidade. Aqui em Ribeirão será no Parque Curupira.

mamaço 2012

Read More

Enrola e desenrola

Posted by on Jul 21, 2012 in Maternidade, Pensamentos | 0 comments

Quando eu era pequena tinha esta coleção de livros que você decidia o que acontecia com a história, escolhendo ir por um caminho ou outro, mas sempre ficava pensando: “e se eu tivesse ido pelo outro caminho”.

Na vida é a mesma coisa, a gente faz escolhas, mas sempre pensa “e se…”.

A maternidade tem colocado muitos “ses” na minha cabeça, mas o maior deles é se eu tivesse em SP com a minha vida de antes, como seria a maternidade?

Hoje compartilho quarto, cama, me dedico integralmente ao Lucas, mas não vejo minhas amigas de SP fazendo isso (posso estar errada), como seria a amamentação prolongada?

Me pergunto até se teria estas preocupações, se teria acesso a estas informações. Não que lá não tenha onde encontrar, muito pelo contrário, mas pelas pessoas que convivia e sua maneira de criar os filhos, não lembro de muitas amigas que tenham amamentado por 6 meses (muito menos mais do que isso), não lembro de amigas que tenham lutado pelo seu parto. Na verdade muitas delas nem filhos tem.

Posso estar errada (enquanto escrevo me lembro da Mi e da Cris, que foram mães 100% para seus filhos), mas essa fome de informação que tenho, esta vontade de fazer mais, de fazer “diferente” me parece muito distante da realidade que vivia em SP.

Mas estou aqui, viemos para o interior na busca de melhor qualidade de vida para termos nossa familia. Viemos em busca disso e estamos conseguindo.

Eu sinto falta de trabalhar, de usar meus neurônios (andam de férias), de fazer outras coisas além de cantar cantigas, brincas e amamentar, mas talvez me arrependa de pensar assim, porque passa rápido, Lucas vai ser mais tempo independente de mim do que dependente, ai vou querer que ele deite no meu colo para ganhar carinho e ele não querer.
Mas a gente sente, não tem muito o que fazer. Enquanto escrevo este post ele brinca ao meu lado e toda vez que a bola rola pra longe paro de escrever para dar a bola de novo na mão dele e ganhar um sorriso. É, em nenhum trabalho remunerado você ganha isso: amor e sorriso de filho.

Read More

5 meses – O post que eu não fiz

Posted by on Jul 10, 2012 in Meu Filho, Vivi | 0 comments

Filho falhei…

Não consegui escrever o post do seu 5º mês de vida. Os motivos são muitos, mas o principal é que você tem exigido MUITO de mim. Você quer que eu fique com você a maior parte do tempo. Tem dias que almoçar ou ir ao banheiro são complicados, mas tem outros que você fica em paz, brincando e rindo.

Você adora o Toulouse, procura por ele, ri quando ele balança o rabo. Tenho certeza que serão ótimos amigos e companheiros.

Fomos para SP no aniversário de 60 anos do seu avô, mas a viagem foi complicada, ficamos cansados e não aproveitamos muito a festa. Mas foi ótima nossa viagem, fomos visitar seus avós paternos, que não te viam desde abril e estavam morrendo de saudades. E você fez a alegria de todos, foi no colo, riu, brincou e eles ficaram mais encantados com você. Você ganhou vários presentes que a rarmoni trouxe da coréia, inclusive DVDs do Pororo.

Você é muito social, ri para todo mundo e tem estranhado menos o colo das pessoas. E todo mundo te elogia, seja pelo tamanho (você tá com mais de 8 kilos e 67 cm) ou pela simpatia. Você está um bebê lindo e gostoso, a gente se diverte juntos (seu pai também).

Como você ganha bastante peso mamando apenas no peito sua pediatra decidiu fazer a introdução ao alimentos só no mês que vem (o que já era meu plano), mas estou me preparando para este momento (vou fazer um post só sobre isso).

Ah, você resolveu sentar e virar, logo logo começa a correria.

Parabéns atrasado, mas em tempo.

 

Read More

4 meses

Posted by on Jun 5, 2012 in Meu Filho, Vivi | 3 comments

Este último mês foi especial, mas foi difícil tb.

Tivemos um monte de festas de aniversário (da Teresa, do Gabo e do Nico), mas só conseguimos ir no do Gabo. Não tem problema, ano que vem tem mais.

Você mudou bastante, parou de dormir aquelas noites inteiras de sono (ai que saudade), começou a querer ficar mais acordado e ficou mais chorão.

Sim filho, você é chorão. E a crise dos 3 meses não ajudou, fez você chorar mais e querer ficar comigo ainda mais. E vc ficou doente, uma (ou duas) gripe, usamos tanto soro nesta 1 semana.

Você fez 100 dias no dia das mães, alegria dupla. O mais legal foi ver você e seu pai, juntos, brincando, interagindo.

Colocamos seu berço no nosso quarto, assim dormimos todos juntos. Fiz até uma postagem sobre criação com apego.

Como disse foi um mês incrível, mas também foi bem complicado.

Read More

Uma semana ruim

Posted by on Jun 1, 2012 in Meu Filho, Vivi | 0 comments

Até que enfim é sexta, porque esta semana foi de amargar…

Tivemos greve de ônibus aqui em Ribeirão, então a Ana que trabalha aqui em casa não veio, tive que dar conta da casa e do Lucas (que não quer ficar nem um minuto sozinho no carrinho). Para ajudar mais o Pedro foi pra SP, ou seja, fiquei completamente sozinha.

Lucas doente (nariz escorrendo, tosse e rouquidão), dormindo mal de noite e de dia, querendo colo e atenção o tempo todo.

E eu ainda ganhei uma crise de rinite que tá virando sinusite.

Vem fim de semana!

Read More

Lucas 아빠

Posted by on May 29, 2012 in Meu Filho, Vivi | 0 comments

Sua avó disse para eu escrever as coisas no seu álbum, criar um diário, caderno para quando você crescer a gente sentar e ler os acontecimentos de sua vida de bebê. Para rir, para chorar, para lembrar. Mas eu acho que o blog serve para isso e por isso tenho postado tanto desde que você estava na minha barriga. Se sentir necessidade mais pra frente monto um “livro” com os posts.

Estou contando tudo isso para falar que no domingo aconteceu uma coisa muito legal, muito bonita, você “descobriu” seu pai. Não que você não o conhecesse, não soubesse que ele existe ou qualquer coisa do tipo, mas vocês ficavam juntos apenas por algum tempo e eu acabava entrando no meio para ajudar o apá. Mas domingo não, vocês ficaram brincando só os dois lá no nosso quarto.

Ouvia as risadas, apá falando com você e suas “respostas” em nenenês, tudo de longe, para deixar você curtirem este momento.

Só aparecia para dar de mamá (apá ainda não consegue ajudar nesta parte), mas até nesta hora você procurava o apá com o olhar.

Foi lindo ver a cumplicidade de vocês nascendo, quero que vocês sejam muito amigos, confidentes até, mas isso só o futuro dirá.

Read More

Postagem coletiva: Criação com apego

Posted by on May 23, 2012 in Maternidade, Pensamentos, Vivi | 0 comments

Postagem coletiva: Criação com apego

[bb]A gente faz e nem sabe bem como chama, sabe que é gostoso, que faz bem pro nosso filho e mesmo que as tias, avós e amigos digam que estamos fazendo errado a gente quer fazer assim. Ai vem a Time e causa uma revolução, coloca na capa a foto de uma mãe amamentado um bebê de 3 anos. Mas faz todo mundo parar para pensar.

Hoje escrevo meu segundo post de uma ação coletiva para defender a criação com apego, para dizer que eu pratico e que não sei se meu filho vai ser assim ou assado no futuro, estou vivendo o presente e cada segundo deste momento.

Eu já falei aqui sobre minha experiência com a amamentação, com o sling e com a cama compartilhada.

Quem quiser entender melhor o que é a criação com apego é legal ler estas reportagens (além da Time, claro):

Veja - http://veja.abril.com.br/noticia/saude/atriz-de-big-bang-theory-lanca-livro-sobre-modo-controverso-de-criar-os-filhos (eu não acho controverso)

iG Delas - http://delas.ig.com.br/filhos/2012-05-18/o-que-e-attachment-parenting.html

 

 

Read More

Tem cronograma?

Posted by on May 22, 2012 in Maternidade, Pensamentos, Vivi | 0 comments

Trabalhei durante anos com Gestão de Projetos, um trabalho que sempre combinou bastante comigo, que exige organização, planejamento e acompanhamento das atividades.

Eu também sempre fui muito GP na vida, organizo bem as coisas na cabeça, faço listas e tento ser o mais objetiva possível.

Mas ai eu me tornei mãe… Filho não tem cronograma, desde a gravidez (quer dizer, o meu não teve porque nasceu de PN) a gente vive de acordo com o tempo e vontade deles, por mais que a gente planeje e tente, não rola.

Para mim há uma certa frustração, pois gosto de tudo sobre controle e no tempo certo (aquele que eu determinei), mas não funciona assim.

Aquele dia que você tem que sair eles resolvem dormir um pouco mais (e ninguém merece acordar um bebê de meses) e quando não temos nada pra fazer eles querem a ficar alertas (e a gente doida pra dormir).

Eu estou aprendendo que não dá pra controlar tudo, mas tento manter uma certa organização e “rotina” em nossas vidas, ajuda.

Read More

100 dias ou baek-il

Posted by on May 14, 2012 in Meu Filho, Vivi | 0 comments

100 dias ou baek-il

Lucas é mestiço, brasileiro-coreano, o primeiro de uma nova geração. Hoje ele completa 100 dias de vida, uma data importante para as crianças coreanas, um marco. Não conheço nada da tradição e o Pedro também não é muito ligado, o que sei perguntei para minha sogra e li na internet.

Pronto pra festa

Na Coréia de antigamente a taxa de mortalidade dos bebês era muito alta, muito não passavam dos 100 dias de vida, por isso quando alcançavam este tempo de vida era comemorado pela família. Hoje as coisas são diferentes, a taxa de mortalidade de bebês é baixa, mas a tradição de se comemorar este dia continua.

Aqui não rolou comemoração, fomos almoçar na casa do meu primo Dudu (com a Clara e a Alice) e a tarde fomos ao aniversário do primo Gabriel. Olha como ele tava gatão:

Ah, hoje é também dia das mães, uma data que se tornou muito mais comercial do que sentimental (e como comerciante quem sou eu para reclamar), mas que como mãe fico feliz em dar um cheirinho no meu filhote neste meu primeiro dia das mães. Nossa comemoração começou no sábado, com um super bolo após o jantar, uma noite inteira de sono e sorriso lindo ao acordar. Filho, obrigada pelo meu primeiro dia das mães.

Fontes:

http://kimchimamas.typepad.com/kimchi_mamas/2008/11/100-days.html

http://www.lifeinkorea.com/culture/tol/tol.cfm

http://www.asianinfo.org/asianinfo/korea/cel/birthday_celebrations.htm

Read More

Fazenda

Posted by on May 3, 2012 in Meu Filho, Vivi | 0 comments

Fazenda

[bb]Lucas foi visitar a fazenda do vovô e conhecer o lado Mafra da familia.

Aproveitamos o feriado de 1° de Maio para dar um pulo na fazenda. Não conseguimos aproveitar muito porque choveu muito e fez bastante frio. Assim ficou difícil de ver os bichos que tem por lá.

Mas ficamos perto do fogão a lenha e aproveitei para comer bastante.

Agora quero voltar para comer pitangas, pois a pitangueira está em flor!

Read More

Saindo para jantar

Posted by on Apr 21, 2012 in Maternidade, Meu Filho, Vivi | 0 comments

Saindo para jantar

[bb]Na sexta resolvemos sair para jantar com nossos amigos, fomos jantar em um Japonês ótimo que tem aqui em Ribeirão.

Adoro comida japonesa e não comia a quase 1 ano, quando engravidei. Agora que posso comer e que o Lucas está bem resolvemos topar o desafio de sair em família com o bebê de 2 meses e meio.

Nos programamos para chegar cedo, assim garantimos um lugar mais calmo para o bebê. Conseguimos uma daquelas salinhas que senta sem sapato e tal. Lucas mamou e dormiu, quando os amigos chegaram ele estava dormindo.

Depois de um tempo acordou, ficamos revezando o colo para eu e o Pedro comermos. Mas foi tranquilo, ele não chorou nada, se comportou muito bem e nós aproveitamos muito.

Não sei quando sairemos de novo, mas valeu a experiência.

 

Read More

Nossa primeira viagem

Posted by on Apr 19, 2012 in Meu Filho, Vivi | 0 comments

Nossa primeira viagem

Tenho loja de roupas em Ribeirão, então a cada 15 dias vou (ia) para São Paulo fazer compras no circuito Bom Retiro – Brás. Durante a gravidez continuei neste ritmo e minha última viagem foi em meados de janeiro (Lucas nasceu no começo de fevereiro), mas desde então Pedro que tem feito as viagens sozinho. Eu e o Lucas não havíamos saído de Ribeirão até agora, mas viemos para uma temporada de 1 semana na capital do estado.

Para vir fui me preparando por algum tempo, preocupada com o tempo, as roupas, a vacina, a logística, os encontros. Nossa viagem foi assim:

Meus pais passaram na minha casa e nos trouxeram até SP, assim consegui trazer carrinho, bebê conforto, banheira (que vai ficar para as outras visitas na casa da vovó) e nossas malas. Não é fácil viajar com um bebê pequeno, precisa levar fralda, um monte de roupa (se esfriar, se esquentar…), como ele mama no peito não tenho que me preocupar com mamadeiras e esterilizadores, mas deve ser complicado. Até o inalador eu trouxe, vai que…

A viagem foi tranquila, Lucas dormiu a maior parte do tempo e ainda fez cocô 2 vezes no caminho, no primeiroum utilizei o fraldário do Frango Assado próximo de SP (aliás, muito bom, com pia, papel e tudo mais que uma mãe precisa nestas horas), o segundo foi já na cidade então só troquei quando chegamos. Como as estradas Ribeirão – SP são excelentes e tem bastante posto onde parar foi tranquilo, porque na hora que ele quer mamar não tem como, ele abre o berreiro mesmo e só para com o peito na boca.

São Paulo

Na segunda passeamos nas ruas próximas a casa da minha mãe, a viagem já é agito suficiente para um bebê de 2 meses. Demos um jeito de tomar banho na banheira dentro do box, mas não é muito confortável ficar agachada lavando o bebê no chão molhado.

Na terça foi dia de visitar os avós no Brás e receber minhas amigas. No passeio do Brás correu tudo bem, fomos a um restaurante almoçar e ele se comportou (como um bebê de 2 meses), mas não tem jeito, ele ODEIA o bebê conforto. À noite foram minhas amigas, que um dia foram vizinhas que vieram até aqui em casa, fizemos um lanche, colocamos o papo em dia, todas adoraram o gorducho. Fomos dormir “tarde”, mas o Lucas dormiu muito bem, tanto que acordamos as 8:00 na quarta. Desde os 2 cocôs de domingo não tivemos mais nenhum, as fraldas só estavam sujas de xixi e por isso ele já estava ficando com dor.

A quarta foi o dia mais difícil, ele estava com muito desconforto de não evacuar, cólica, gases, choro e não tem nada que podemos fazer, o balde que ajuda bem ficou em Ribeirão. Então foi sling, muita massagem e paciência para que o filhote consiga fazer seu cocô. Já havíamos marcado com a Luciana (amiga da minha mãe) e a Tia Martinha (prima da minha mãe). No meio da tarde começou a chover MUITO, raios, trovões e inundações, a Tia Ilse (mãe da Tia Martinha) saiu de Alphaville mas não conseguia chegar em SP, acabou que elas não vieram (nem a Ilse, nem a Martinha). Mas a Luciana veio, contou histórias mil, tentou (sem sucesso) fazer o Lucas pegar a chupeta. Mas o mal dele era vontade de fazer cocô. Na hora de dormir tive que colocar ele na cama comigo, porque a dor estava muita e não conseguia vê-lo sofrer daquela maneira. Tivemos uma mamada da madrugada e de novo fomos até quase 8h da manhã.

Pichação

A quinta começou com meus peitos muito cheios e o Lucas também. Já estávamos há 4 dias sem fazer cocô, tudo bem que é normal, mas o desconforto dele não é legal. Mais um pouco de massagem e ainda pela manhã Lucas conseguiu fazer um MEGA cocô, que tive que trocar a roupa, lavar na pia, um acontecimento. Depois disso ele se transformou, ficou mais feliz, mais alegre, uma graça. A tarde eu tinha compromisso: depilação a laser no shopping Morumbi. Almocei e dei uma cochilada, quando acordei estava chovendo bastante, pensei que não fosse conseguir ir. A chuva passou e deu tempo. Fomos ao shopping, Lucas acordado no bebê conforto, rindo. Fiz o que tinha que fazer e voltamos, num fim de tarde de SP que sempre tem trânsito, mas ele se comportou bem, chorou um pouco no caminho, mas fui distraindo com um brinquedinho. Não teve visita, mas eu estava acabada, fazia dias que não tirava sonecas de depois do almoço, eram 21h e eu querendo dormir, mas o Lucas queria mamar. Ele mamou pela última vez por volta das 22h e dormiu, coloquei ele no carrinho e deitei também, acordei na madrugada (quase 5h da manhã) e percebi que era a primeira vez que acordava, que não tinha rolado a mamada das duas da manhã. Minha primeira reação foi ficar preocupada, fui checar se estava tudo bem e ele dormia gostoso.

Pode imaginar que foi assim que começou a sexta, eu preocupada e ele dormindo. Tentei voltar a dormir, mas sem sucesso, fui comer, fiquei na internet e nada dele acordar. Só mais de 6 horas ele acordou, rindo, com a fralda cheia de xixi. Também não tínhamos nada marcado, só no fim da tarde fomos a uma loja de sapatos em moema, quem conhece o bairro sabe que os aviões passam bem baixo para pousar e o barulho é bem alto, bom, ele não gostou. A cada novo avião um choro. Mais uma noite de sono longo e um dia muito agitado estavam por vir.

Presente

No sábado havia marcado das minhas amigas irem em casa, para tomar um lanche e conhecer o Lucas. O Pedro chegou na hora do almoço, logo ficou com o Lucas, para matar a saudade. À tarde os amigos foram chegando, cheio de presentes e achando o Lucas uma graça, grande, gordo. Mas foi muita gente, muita informação, muito barulho e ele ficou irritado, chorando e acabou não dormindo nada à tarde. Ele não fez cocô novamente, já eram 2 dias sem ir ao “banheiro”. Mas ele dormiu a noite toda novamente e isso foi ótimo. Eu matei de leve a saudade das minhas amigas.

Domingo foi dia de ficar com o pai, colo de pai pra cá, colo de pai pra lá. Passamos o dia na casa da minha mãe e saímos a noite para apresentar o Lucas para a familia do Pedro. Fomos na casa da bisavó dele, mãe da minha sogra e estava toda a familia esperando ele chegar, um monte de mulher junta. Ele foi de colo em colo, chorava, ria. No final ele tinha até glitter no corpo por causa da blusa de uma das primas. Minha sogra levou o álbum do Pedro e a grande discussão foi se o Lucas parecia comigo ou com o Pedro (vou fazer uma montagem com fotos de nós 3 e assim ter o comparativo), eu acho que ele parece com o pai, mas com alguma coisa minha. Mais presentes, a bisavó deu um presente incrível que não vejo a hora de usá-lo: um tapete Dwinguler (é coreano). Mais uma noite bem dormida, umas 8 horas de sono seguidas.

Chegou o dia de ir embora, viemos com 2 malas, voltamos com umas 4, só o tapete valia por 2. Pedro aproveitou que estava em SP para fazer compras para as lojas. Eu fiquei na minha mãe e por volta das 15h fomos encontrar o pai. Como por um milagre fizemos caber tudo no carro, mas ficou claro que teremos que comprar um bagageiro para conseguir ir as compras com o filhote.

A viagem de volta foi bem mais difícil no começo, pegamos MUITO trânsito antes do primeiro pedágio, nem usamos o Sem Parar que estava todo parado (trocadilho infame). Com isso o Lucas que tinha acabado de cochilar começou a chorar e fui tentando distraí-lo até que o transito fluisse novamente. Nisso perdemos mais ou menos 1 hora de viagem. No resto do caminho ele dormiu o tempo todo, paramos para comer no Km 125, amamentei e ele dormiu até chegarmos bem perto de casa. Fiquei com medo dele não dormir a noite, já que dormiu muitas horas no carro, mas que nada, mais uma noite de 8 horas de sono.

Essa foi nossa viagem, adoramos e já estamos planejando a próxima: para a fazenda!

 

Read More